quinta-feira, 15 de abril de 2010

O verdadeiro servo de Deus


Quando uma pessoa vem à igreja pela primeira vez, os primeiros passos é a busca pela libertação espiritual, a pessoa entra numa fase de libertação, em seguida se converte, ou seja, muda a direção da vida dela.

Na igreja ela vai receber toda ajuda espiritual dos pastores, obreiros, enfim das pessoas que prestam assistência espiritual e tem um desejo de ver aquela pessoa transformada. Porém quando já está liberta, livre do mal, perdoada e vivendo uma vida nova, é necessário que comece a fazer por outras pessoas o que foi feito por ela, aí está o grande problema, muitos só querem receber, não estão prontos para dar.

Vemos que o ministério do Senhor Jesus, estava alicerçado na manifestação de poder e ensino, Ele tinha paixão pelas almas, pelos sofridos, e este é o dever de todo cristão verdadeiro, ser um ganhador de almas, ser um servo.

Creio que isto tem faltado muito dentro da Igreja Cristã, pois muitos estão preocupados consigo mesmo, e não se lembram daqueles que estão lá fora sofrendo, sendo ceifados pelo mal, como um dia eles estiveram; tem existido mais egoísmo espiritual do que amor as almas, infelizmente.
Como saber se eu sou um verdadeiro servo de Deus? Quando você nutre no seu coração um desejo de ajudar outras pessoas, estou me referindo à alma da pessoa, que se encontra nas mãos do diabo. O servo de Deus, nutre dentro de si o mesmo sentimento do Senhor Jesus.

“E, chamando Jesus os seus discípulos, disse: Tenho compaixão desta gente, porque há três dias que permanece comigo e não tem o que comer; e não quero despedi-la em jejum, para que não desfaleça pelo caminho.” (Mt. 15.32)

Atualmente, temos visto um egoísmo espiritual muito grande, pessoas que estão na igreja há anos e ainda não nasceram do Espírito Santo, e por que não nasceram? Porque não há um desejo de ganhar almas, de ajudar o próximo.

Não é suficiente apenas aceitar o Senhor Jesus. Muitas vezes há algo dentro de você que ainda lhe prende, você precisa renunciar isso; Jesus disse: “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me.” (Lc. 9.23); este é o maior sacrifício do seguidor do Senhor Jesus, “negar a si mesmo”, é fácil negar aos outros, mas e a nós mesmos? É muito difícil.
O apóstolo Paulo sentiu esta dor: “meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós...” (Gálatas 4.19)

Quando Jesus é formado dentro do cristão, ele passa a desejar que outras pessoas O recebam, a exemplo de Paulo.

Pense – O que você tem feito pelas almas? Pelas pessoas aflitas e desesperadas?

Deus os abençoe.

2 comentários:

  1. Uma pequena reflexão...

    Rir é correr o risco de parecer tolo.
    Chorar é correr o risco de parecer sentimental.
    Estender a mão é correr o risco de se envolver.
    Expor seus sentimentos é correr o risco de mostrar seu verdadeiro eu.
    Defender seus sonhos e ideias diante da multidão é correr o risco de perder as pessoas
    Amar é correr o risco de não ser correspondido.
    Viver é correr o risco de morrer.
    Confiar é correr o risco de se decepcionar.
    Tentar é correr o risco de fracassar.
    Mas devemos correr os riscos, porque o maior perigo é não arriscar nada.

    Há pessoas que não correm nenhum risco, não faz nada, não têm nada e não são nada.
    Elas podem até evitar sofrimentos e desilusões, mas não conseguem nada, não sentem nada, não mudam, não crescem, não amam, não vivem.
    Acorrentadas por suas atitudes, elas viram escravas, privam-se de sua liberdade

    ResponderExcluir
  2. é verdade, o verdadeiro servo é aquele que vive a dor das pessoas, que assim como Jesus tem amor pelas almas, que só sossega quando consegue arrancar aquela alma das mãos do diabo e a entrega nas mãos de Deus.

    Na Fé.

    http://www.andradetah.blogspot.com/

    ResponderExcluir